Artigo 
18/08/2021
Aceleração de ONGs é forma de criar ponte com a iniciativa privada

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

Por Roberta Faria e Rodrigo Pipponzi*

 

É comum ouvir que as organizações da sociedade civil não são profissionais o suficiente, que ainda têm muitas dificuldades na comparação com o setor privado. Isso até pode acontecer em alguns contextos, mas está longe de ser uma verdade universal. Com menos recursos e lutando contra uma série de dificuldades, as ONGs muitas vezes são polos de inovação e criatividade, sem a mesma rigidez que cerca as empresas estabelecidas.

 

Mas a ideia aqui não é falar das exceções e nem mesmo de uma regra que se aplique a todas as organizações. Muito mais efetiva é a criação de pontes entre o terceiro setor e as empresas, de forma que todos saiam ganhando.

 

É com esse espírito que opera a aceleração de organizações. Em poucas palavras, consiste na troca entre profissionais voluntários de grandes empresas e gestores e funcionários de ONGs, em um esforço para equacionar alguma dificuldade identificada pela organização.

 

No Brasil, os primeiros programas de aceleração de organizações surgiram em 2016 com o Porto Social, o braço de fomento ao empreendedorismo social do Porto Digital, polo de inovação tecnológica do Recife. Temos também a Phomenta, criada em 2015 e que em 2017 lançou seu próprio programa de aceleração.

 

Mas é em 2018, com o VOA, da Ambev, que vemos as empresas privadas aderirem à aceleração de organizações da sociedade civil — mais de 300 entidades passaram pelo programa da cervejaria.

 

A pandemia também trouxe à tona as dificuldades nesse diálogo de empresas e terceiro setor, como conta Martha Leonardis, sócia e head de responsabilidade social e eventos do banco BTG Pactual, em entrevista ao podcast Aqui se Faz, Aqui se Doa, produzido pelo Instituto MOL.

 

O banco lançou em 2020 o seu programa de aceleração de organizações, o BTG Soma, que agora está em sua segunda edição. No diálogo com as ONGs, eles identificaram problemas de gestão, captação de recursos, marketing e retenção de talentos e de voluntários.

 

Para que os recursos destinados a organizações fossem gastos com mais eficiência, o banco resolveu criar seu próprio programa de aceleração e dar mais publicidade aos seus gastos sociais.

 

“A pandemia trouxe a necessidade de cooperação e de divulgação do que se estava fazendo, até para conseguir mais recursos e usar tudo que fosse possível para apoiar quem estava precisando”, resume Martha.

 

*Texto publicado na coluna Razões para Doar, de Época Negócios, em março de 2021.

You might like it too
Artigo 
17/11/2021
Quem doa é mais feliz? Ouça conversa com neurologista
Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.Por Rodolfo Stipp Martino*   Ao fazer uma doação ou atuar como voluntário, um sentimento especial de prazer e satisfação costuma surgir ao se dar conta de que o seu gesto vai tornar a vida de alguém melhor.   Sobre essa percepção, vários estudos foram feitos pelo mundo, e os resultados sugerem que a ação de generosidade…
Read more
Artigo 
17/11/2021
Marcus Rashford, Dolly Parton e Percepções Públicas da Filantropia
Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.Por Rhodri Davies, Chefe de Política da CAF*   Foi relatado essa semana que uma potencial vacina de Covid-19 com resultados iniciais de testes muito promissores foi financiada em parte por uma doação de US$ 1 milhão da lendária cantora country Dolly Parton. Essa notícia foi recebida com deleite pelos usuários de internet, que aproveitaram a oportunidade…
Read more
Artigo 
17/11/2021
Filantropia e futebol moderno
Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.Por Andy Frain, gerente de Campanhas e Relações Públicas da CAF*   “Three Lions” pode ser, de fato, a trilha sonora da campanha da Inglaterra na Euro 2020, mas, na verdade, é o rap de John Barnes em “World in Motion” que realmente captura o espírito desse time inglês. Cínicos podem sugerir que a lenda de Liverpool…
Read more